Planos da Petros ficam abaixo da meta atuarial no acumulado de 2018 até julho

Os planos da Petros não conseguiram rendimento suficientemente elevado no acumulado de 2018, até julho, para superar suas metas atuariais. No caso do Plano Petros do Sistema Petrobras-Não Repactuados (PPSP-NR) e do Plano Petros do Sistema Petrobras-Repactuados (PPSP-R), a rentabilidade nos primeiros sete meses do ano foi de 2,04% e 2,07%, respectivamente, contra 6,29% da meta atuarial. Os investimentos em renda fixa tiveram ganhos de 3,6% no resultado prévio acumulado até julho, enquanto o CDI aumentou 3,73% no período. Já a rentabilidade da renda variável ficou negativa em 2,75%, segundo a prévia para o período de janeiro a julho. No mesmo período, o Ibovespa subiu 3,69%.

Por sua vez, o Plano Petros-2 (PP-2) teve rentabilidade de 5,78% nos primeiros sete meses do ano, considerando os números preliminares, abaixo da meta atuarial de 6,12%. Os ganhos dos investimentos em renda fixa avançaram 5,90% no resultado acumulado na prévia do resultado até julho. Já a rentabilidade da renda variável ficou em 0,71%.


Cadastre-se e receba gratuitamente newsletter do site Investidor Institucional, com síntese das nossas notícias diárias. Preencha os dados abaixo e nos envie, inserindo a seguir o email ii@investidorinstitucional.com.br na sua lista de contatos para não sermos barrados como spam.
Li e concordo com termos e condições de uso