Busca
    

RPPS de Rondonópolis e Piracicaba foram alvos da operação Encilhamento da PF

13-04-2018 - 16:03:58

 

O Instituto de Previdência e Assistência Social dos Funcionários Municipais de Piracicaba (Ipasp) e o Instituto de Previdência Social dos Servidores de Rondonópolis (IMPRO) foram alvos da operação Encilhamento deflagrada na quinta-feira, 12 de abril, pela Polícia Federal, segunda fase da operação Papel Fantasma, que apura fraudes envolvendo aplicação de recursos de institutos de previdência municipais em fundos de investimento que contém, entre seus ativos, debêntures sem lastro, emitidas por empresas de fachada. Estima-se que as debêntures emitidas por empresas de fachada ultrapassam o valor de R$ 1,3 bilhão.

O IMPRO, em comunicado, informa que durante toda a manhã de quinta-feira cinco policiais federais, acompanhados de um auditor da Receita da Previdência Social, estiveram na sede do RPPS buscando documentos referentes ao período de 2012 a 2016 (gestão anterior), relativos a ligações com fundos de investimentos que supostamente deram prejuízos para instituições financeiras. “O IMPRO frisa que a movimentação policial não tem referência com qualquer servidor do instituto”, diz o comunicado do RPPS de Mato Grosso.

O Ipasp, por sua vez, também informou que a PF esteve na sede do instituto na manhã de quinta-feira para investigações acerca da operação Encilhamento. “O Ipasp colaborou com a investigação e nenhuma irregularidade aparente foi constatada”, diz o RPPS piracicabano em comunicado, no qual diz ainda que todo e qualquer material apreendido será encaminhado a São Paulo para análise mais profunda.

Segundo a PF, foram identificados 28 institutos de previdência municipais que investiram em fundos que, direta ou indiretamente, adquiriram papéis sem lastro.


WEBINAR 4.661

VídeosOnline

Mais lidas de Investidor Institucional em 3 meses

Mais lidas de InvestidorOline em 1 mês